Coisas Boas em Alta
Entrevistas em Alta

O vinho Cortes do Reguengo

O nosso site tem vindo a dar a conhecer o que de melhor se faz em Portugal.

Hoje vamos conhecer o vinho Cortes do Reguengo.

Classe de um produto feito nas margens do Douro, para nos dar a conhecer conversámos com diretor do projeto Joaquim Cândido da Silva, um profundo apaixonado pelos vinhos da região!

Onde fica a propriedade? 

A Quinta do Reguengo fica na sub-região do Douro Superior, na margem esquerda do rio Douro, no Pocinho, Vila Nova de Foz Côa.

Esta propriedade está inserida na falha tectónica da Vilariça, onde os solos argiloxistosos com afloramentos graníticos se aliam a um microclima único, criando um ecossistema natural para a produção de vinhos complexos e equilibrados.

Como chega à Família Cardoso?

A Família Cardoso tem vindo a adquirir, nos últimos anos, propriedades de olival e vinha. Há muito que a Quinta do Reguengo, que pertenceu à Rainha D. Amélia, e de onde herda o nome de “Reguengo”, é conhecida da Família, que se encantou pela beleza natural aliada ao imenso potencial vínico e turístico do lugar. Em 2018, surge a oportunidade de adquirir a propriedade.

Anteriormente, em 2011, a Família tinha já investido no Alentejo, adquirindo a Herdade da Lisboa (Vidigueira).

Começaram logo a produzir vinho?

A quinta encontrava-se a produzir vinho, mas foi necessário, simultaneamente, avançar com a reestruturação da vinha assim como com a reabilitação de todo o casario ali existente. Desde a adega tradicional de lagares de pedra (que, debaixo da traça antiga bem característica do granito do Douro, alberga a mais moderna tecnologia de vinificação) à sala de estágio das barricas (todas em suporte oxoline e em ambiente com temperatura controlada 24h) ou mesmo à cave dos balseiros de Vinho do Porto, tudo tem vindo a ser dotado das melhores condições para produzir vinhos de qualidade superior.

Que produzem para além do vinho?

Produzimos azeite dos cerca de 50 hectares de olival e amêndoa, proveniente de 30 hectares de amendoal.

Qual o portefólio desta propriedade?

Neste momento, temos três gamas: a gama de entrada, com os vinhos Vale da Pia Branco e Tinto, a gama média, com os Cortes do Reguengo Tinto e Branco, e uma gama alta, com o Quinta do Reguengo Tinto. Temos ainda em estágio os nossos vinhos topo de gama a sair dentro dos próximos 2 a 3 anos.

O foco desta conversa é o Cortes do Reguengo! 

Que vinho é este?

O Cortes do Reguengo Tinto é um vinho claramente do Douro Superior, onde os verões são quentes, originando sempre vinhos complexos, mas equilibrados, com uma boa acidez fina que lhe confere frescura e que só é possível devido à amplitude térmica gerada pelas noites frias de que a região beneficia. É um vinho que satisfaz muito no copo, mas que se repete sem darmos conta.

Os vinhos da região do douro têm uma caraterística comum:

Elegância e suavidade! 

Este Douro é um vinho com a marca Douro? 

Sem dúvida, o Douro é um “terroir” por si próprio. Embora os “Douros” não sejam todos iguais, os seus vinhos são distintos pelas suas características muito própria, marcadas ao longo de um rio, e o Cortes do Reguengo é um fantástico exemplo.

Este vinho vai ter presença internacional? 

Já tem, pese embora estejamos numa fase inicial da comercialização.

Em que mercados?

Bélgica, Holanda e Alemanha.

Quem é o publico deste vinho?

Este vinho satisfaz consumidores exigentes, habituados a beber vinhos de gamas altas, com a grande vantagem de o seu preço o tornar bastante acessível a uma base maior de consumidores.

O rótulo marca a decisão de compra! 

Como é o rótulo deste vinho?

Tendo sido a Quinta do Reguengo pertença real, quisemos dar ao rótulo a distinção que tal facto merecia, por isso optámos por um rótulo distinto que evidenciasse um vinho com sério potencial, a merecer todo o seu valor.

Vai chegar ao mercado a que preço? 

Os nossos pontos de venda em Portugal têm o Cortes do Reguengo a ser comercializado a cerca de 12,50€ por garrafa.

 

Subscreva
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Tem algo a dizer? Comente este artigo!x