Coisas Boas em Alta
Gastronomia em Alta

Solar dos Nunes

Um clássico nunca compromete.

Antigamente, as pessoas torciam o nariz quando ouviam falar de Alcântara, agora já não o fazem  porque a qualidade de vida mudou muito.

O comércio foi renovado e há muitos prédios de elite,  apesar de ainda existirem resquícios da vida fabril ali prevalecente até meados do século XX. Esta parte da cidade, outrora ocupada por fábricas, sofreu uma profunda transformação. Hoje, é constituída também por novas zonas residenciais, diversos espaços de restauração e um pólo de lazer irreverente, o Lx Factory. A proximidade com o rio Tejo, juntamente com estas características, tem levado alguns jovens a escolherem Alcântara para viver.

Mas há casas que prevalecem no tempo e na memória dos comensais de Lisboa, o Solar dos Nunes, é o exemplo vivo da boa mesa e da arte de bem servir, uma casa onde os pratos vêm com dedicatória.

Em 1988 a família Nunes abriu portas para trazer as suas raízes alentejanas até à capital, com a apresentaçío de pratos tipicamente portugueses, com comida maioritariamente alentejana. O Solar dos Nunes é um daqueles locais que todos deveriam conhecer para desfrutar do momento. Um espaço com excelente comida portuguesa e com uma decoração pensada ao pormenor. Um restaurante de inequívoca qualidade.

 Um clássio de Lisboa, no Guia Michelin- “Intimista e acolhedor, sobressai pela magnífica calçada portuguesa no chão da sala de jantar e pelo facto de ter as paredes cobertas de reconhecimentos. Vitrinas bem recheadas de peixe, aquário de marisco, carta tradicional portuguesa e excelente adega.
Solar dos Nunes: Mais espaço e mais sabores, com o amor de sempre pela cozinha portuguesa1

É obrigatório começar por dizer que o Solar dos Nunes, em Lisboa, é uma casa de família e que tem no respetivo anfitrião, José António Nunes – Zé Tó, como é carinhosamente tratado -, a alma do restaurante. O pai de Zé Tó, José Nunes, de origem beirã (Cabanas de Viriato, em Viseu), e a mãe, Ana Luísa Nunes, alentejana (Serpa), juntaram o melhor de duas cozinhas neste lugar, que permanece na Rua dos Lusíadas, desde 1988.

Ana Luisa modista de profissão deu o mote, e conseguiu com o apoio incondicional do marido e seus filhos, fazer uma casa que sempre esteve na moda.

Ao longo deste anos de existência, o Solar dos Nunes nunca perdeu o foco na qualidade da matéria-prima, procurando oferecer o melhor da cozinha alentejana, alargando horizontes a outras inspirações regionais do receituário nacional. Dado o sucesso e a consequente afluência, a casa, atualmente com capacidade para 80 pessoas, teve de “crescer” por várias vezes ao longo destas três décadas. Agora, a novidade é o “nascimento” de mais uma sala, que pode acolher até 70 pessoas, em privado se o desejarem.

O Solar dos Nunes é um restaurante procurado, desde sempre, por artistas dos quatro cantos do mundo. Não menos conhecida do que estas personalidades é a Sopa de Peixe, do Nunes, ideal para duas pessoas, que chega a atrair pessoas de outros continentes que se deslocam propositadamente para saborear aquele que é, de facto, um prato de “subir aos céus”.

E foi o que fiz, fui às nuvens com umas belas entradas, a icónica sopa de peixe e uns lombos de cherne com camarão. 

O vinho, escolha e sugestão da casa, não podia ter melhor enquadramento, na sempre magnifica fusão de aromas e sabores sólidos e líquidos.

O arroz doce, sem dúvida dos melhores que já provei.

Basta deixar o olhar percorrer as paredes do restaurante, revestidas a azulejos portugueses em tons de azul, para perceber a quantidade de caras conhecidas que por ali passaram e que deixaram fotografias autografadas e mensagens de agradecimento pela experiência e pela forma como foram servidos.

Neste bairro de Lisboa,  que bem conheço,  os laços familiares e de amizade, são valores que nunca se substimam  e foi pela mão de gente amiga da familia Nunes, que tive um BELO jantar, que jamais esquecerei.

Preço médio por pessoa €€€ 35
Nota: a qualidade tem o seu preço.

Subscreva
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Tem algo a dizer? Comente este artigo!x