Coisas Boas em Alta
Entretenimento em Alta

No Dia Seguinte Ninguém Morreu

“No dia seguinte ninguém morreu” um acolhimento no Teatro Meridional.

Assim inicia o romance “As intermitências da Morte” de José Saramago.

E foi inspirada neste romance que a companhia Trimagisto, fundada em 2001 e com sede em Montemor-o-Novo, criou um espetáculo que intercala momentos de música rock, dança, pintura e narração.

À entrada na sala de espetáculo fomos recebidos por dois atores e ficamos logo com a sensação de que esta seria uma peça cheia de movimento.

E confirmou-se!

O músico deu os primeiros acordes, a “Morte” surgiu vinda por entre o público, personificada por uma figura feminina e muito sensual, e a história começou a ser narrada.

Trata-se de um texto que nos conduz à reflexão sobre a Morte, ou melhor sobre a Imortalidade e os efeitos colaterais da mesma.

Uma greve da morte poderia provocar o caos em seguradoras, bancos, hospitais e em todos os negócios que provêm da morte… tal como numa pandemia.

Além do elenco de 4 atores, o espetáculo inclui ainda a participação de um coro amador, oriundo de cada lugar onde o espetáculo acontece.

Em Lisboa essa colaboração ficou a cargo do “Coro Nosso”, composto por um conjunto de pessoas que partilham o gosto pelo canto e que contam com o apoio da Junta de Freguesia do Lumiar.

E seria apenas mais um grupo de amantes do canto, não fosse a agradável surpresa de ter o privilégio de conhecer o maestro e de um dos elementos do coro.

Felicidades ao maestro Alfredo Domingues e ao Fernando Ribeiro!

Um espetáculo muito interativo onde teatro, música, narração, dança e multimédia se aliam, proporcionando ao público um misto de sensações!

Podem assistir a esta peça no dia 27 de maio em Almada.

Subscreva
Notify of
guest

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maria
Maria
7 meses atrás

Parabéns e continuação de um excelente trabalho. Aos atores e ao coro. Um abraço grande para o Fernando Ribeiro.

Maria
Maria
7 meses atrás

Parabéns pelo trabalho e desejo que continuem. Abraços ao Fernando Ribeiro

Felisbela Abreu
Felisbela Abreu
7 meses atrás

Sou da mesma opinião, é com toda a certeza uma peça a não perder!

3
0
Tem algo a dizer? Comente este artigo!x