Coisas Boas em Alta
Produtos em Alta

Enlatados

Quando se vai fazer compras metade delas estão metidas em latas.

São os enlatados e muitas pessoas torcem o nariz pois não acham de confiança o que está lá dentro.

Mas rendem-se. Durante quase 100 anos, as latas foram feitas à mão. Com a revolução industrial, a procura aumentou, fazendo com que as mãos fossem substituídas por máquinas.

Hoje, estima-se que sejam produzidos 200 mil milhões de recipientes. Portugal tem longa tradição na preparação de conservas e de enlatados.

Na década de 1940, foi mesmo o maior exportador de conservas do Mundo. Porque este é um setor que nasceu e cresceu alimentado pela guerra.

As tropas de Napoleão estavam a morrer. Mais de fome e de sede do que dos ferimentos de combate. A crise foi tal que, em 1795, o Governo francês ofereceu um prémio de 12 mil francos a quem apresentasse uma forma eficiente de preservar os alimentos Appert, que trabalhava como padeiro e produtor de vinhos, ficou interessado.

Se o vinho sobrevivia em garrafas de vidro, porque não fazer o mesmo com a comida? Demorou 15 anos a aprimorar o processo. No fim, depois de cozinhar parcialmente os alimentos e de os selar dentro de garrafas com rolhas, chegou à conclusão: o que estava lá dentro não se estragava.

A ideia foi publicada num livro que chegou às mãos do comerciante inglês Peter Durand. Em 1810, o rei George III assegurou-lhe a patente do uso de recipientes revestidos a estanho. Assim nascia a lata de conserva, que, tal como o vidro, podia ser selada hermeticamente.

Só não se partia com tanta facilidade. À medida que as conservas corriam Mundo, a indústria expandiu-se para novos territórios e hoje fazem parte da nossa vida.

Subscreva
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Tem algo a dizer? Comente este artigo!x
()
x