Coisas Boas em Alta
Coisas Boas

Casa da Dízima

Situado num imóvel de interesse municipal do Município de Oeiras, construído (imaginem só) em 1495, mais de 500 anos, almoçar ou jantar neste espaço é por si só uma experiência inesquecível.

É da Casa da Dízima, que vos vou falar hoje.

A Casa da Dízima fica situada á entrada de Paço de Arcos, junto ao Hotel Vila Galé (já aqui falado noutro artigo) e o famoso edifício de Salva-Vidas, na Av. Marginal.

Manteve o nome, porque antigamente era aqui se pagavam os impostos á Coroa Portuguesa.

Seria aos tempos de hoje uma repartição de finanças.

Sempre que entre neste espaço fico deslumbrado com a beleza do mesmo.

No piso térreo, dispõe de 4 salas abobadadas em tijolo e as paredes em pedra.

Na cobertura (mais propício a noites de verão), dispõe de um bar de apoio, e cerca de 20 mesas, todas elas estrategicamente colocadas de forma a ver a foz do Tejo e o início do Oceano Atlântico.

Tudo neste restaurante é requintado. Toalhas e guardanapos em pano,  mesa posta para as entradas e dois copos para água, já estão preparados para quando chegamos á mesa. Convém reservar, sobretudo se quiser fazer a sua refeição no piso superior.

Depois de sentados, somos convidados a escolher as entradas, e a refeição, e colocam-nos imediatamente no prato, 3 tipos distintos de pão, com sementes, broa e pão saloio. Para molhar, é-nos trazido um pratinho com azeite aromatizado.

Depois do pedido feito, neste caso optámos por uns filetes de peixe-galo, acompanhado por um risotto de lima, e um lombo de pregado com molho de lagostim, acompanhado por um puré de couve-flôr e aipo.

De seguida veio a carta de vinhos, e aqui sim fiquei espantado, talvez a maior carta de vinhos que alguma vez ví num restaurante. Só para ter uma ideia os vinhos começam nos 20 euros e terminam no famoso Barca Velha, por 650 euros.

Não sei se esta lista corresponde a todos os vinhos existentes, já que a nossa primeira escolha, foi-nos dito que “de momento não tinham”. Fizemos uma segunda escolha e aqui sim…sem problema!

Apesar da nossa escolha não ter sido por um “Topo de Gama”, fiquei espantado com o que o empregado me disse a seguir: -A temperatura do vinho está boa assim ou quer o arrefeça ou aqueça para o seu gosto?

Que maravilha!!!

Conversa para cá, conversa para lá, depois do tempo suficiente para desfrutar da vista magnífica, lá chegaram os pratos pedidos.

Bonita apresentação, muito bem confecionados, matéria-prima de qualidade, e um toque de Chef.

Parabéns! Nada a apontar, todos os sabores são facilmente reconhecidos pelo nosso palato, filetes sem o mínimo de óleo da fritura, o risotto com o sabor da lima, sem se sobrepor ao sabor do queijo utilizado na sua confecção. Quanto ao purê de couve-flor e aipo, uma textura e sabor perfeitos.

Parabéns á cozinha!

Quanto ao acolhimento, dos melhores que tenho tido em restaurantes. Desde a nossa chegada, com um sorriso, ao encaminhamento á mesa, toda a atenção dispensada durante a refeição sem ser demasiado interventivos. Cinco estrelas ao Staff!!

Para rebater esta magnífica refeição, optamos por dividir um folhado de maçã e canela, acompanhado por gelado de baunilha. Muito bem decorado o prato e o folhado no ponto, com um recheio muito saboroso.

Recomendo este restaurante para uma ocasião especial, um jantar romântico, um encontro de amigos. Tenho a certeza que sairá satisfeito com a experiência.

Sendo um frequentador ocasional, continuarei a vir sempre que me for possível, pela experiência, sempre diferente.

Custo por pessoa: cerca de 40 euros (se optar por um vinho corrente).

Bom apetite!

Parabéns Casa da Dízima!!

Subscreva
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Tem algo a dizer? Comente este artigo!x
()
x